30 de setembro de 2008

NOSSA IDENTIDADE CHAMADA DE AMÉRICA LATINA

Quando se fala de América Latina, falam de atitudes contrapostas. Então o que é América Latina? Alguns nos vêem com um só, sem diferenciar o Brasil do Haiti ou o Chile do México, sendo incapazes de observar nossas distinções. Outros nos vêem somente sobre a visão da separação territorial, sem observar nossas semelhanças nos pontos de Identidade.
Vejo como principal problema de uma região Subdesenvolvida, a "falta de integração". O caso da América Latina é particular quando nos referimos a dois planos: o Lingüístico e o Cultural, pois sobre esta óptica é a mais integrada do mundo.
Na França há vários dialetos, na Itália vê se profundas diferenças lingüísticas regionais, o mesmo ocorre na Espanha, onde Bascos, Catalães, Galegos e Andaluzes lutam para defender sua cultura regional. Enfim, é possível encontrar em Lisboa mais variantes da língua portuguesa do que no Brasil.
Na intenção de simplificar nossa língua e, etc, Estados Governo que falam este idioma na América Latina, assinaram ontem (29/09/08) as novas normas para o uso do mesmo.
Eliminação do Hífen, do Trema, aceitação do K, W e Y como letras nacionais e novas ortografias quanto a nossa escrita, são algumas mudanças para a Língua Portuguesa no Brasil. As mesmas passam a funcionar em 01/01/2009.
Na América Latina existe uma unidade lingüística, mesmo cientes que falamos espanhol e português, mais vale lembrar que estas são línguas irmãs, capazes de serem mutuamente inteligíveis.
No tocante a integração cada vez mais forte da Cultura Latina americana, acredito ser possível que nas próximas décadas falarmos um só Idioma: o Hídrico, uma espécie de Portunhol ou Espanhoguês, eliminando assim culturas próprias de nossa terra como os dos Maias, Astecas, Incas e Guaranis.
Para sobreviver neste avanço tecnológico-cultural precisamos cada vez mais criar Identidade Ímpar mesmo que seja necessário juntar Identidades Pares, dentro de um povo que não se estruturaram para si mesmos por falta de consciência crítica como a nossa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário