10 de dezembro de 2009

PALABRAS ERADAS FAIS CHORAR?

Antes de qualquer confunsão com a leitura desta post, tentem se informar com boas informações do cotidiano esperantinenese.
Os eros são grandes e para alguns o nascimento já explica tudo.
Ceja bem vindos ao noso blog e exprimente o minu de soluções para todo tipo de cabouco.
É facio falar de mim, dificio é fazer o que faso.

Nesta cidade esiste muitos ruços que não prestam atensão nem mesmo nos becos que anda.
E o que falar dos caxorros de coleiras brancas? Não presiça falar nada, pois não pasam de nada.

Estou quase de férias gerais, e quando elas chegarem definitivamente estarei à procura de um cantinho sosegado, tranquilo e xeio de sombras e água fresca.
Se tiver uma piscina melhoar ainda.

Os homens tão acostumado tanto com erro que os acertos pasam despecebidos.
Trabalhadores de todo o estado estão cem verduras saborosas por fauta de agrotóxio e não por falta de coragem.

Ah coragem, tanta falta você faz entre os caboucos de todo o sertão nordestino.
Cabouco que se diferencia na forma de se expressar. Bons ou ruins, todos tem seu espaço no globo.

As palavras voam, vão e voltam.
Abram os olhos meu povo e minhas povas.

Pois erros vivem a incomodar na certesa de uma dor de kabesa que não para, seja na çala, no quarto, na cozinha, em qualquer lugar e por que não aqui neste espaço que nos rodeia?
Xora menino.

Texto meramente ilustrativo quanto a forma de escrever, pois tem gente que deveria  ser letrado e não comprenetado.
Não tem nada pra fazer, então vai contar quantos carros irão passar de Teresina para a nossa cidade lá ponte que tes colocar no mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário