19 de junho de 2010

Lembranças de uma Língua Maldita - Parte Inicial

Comunicar? Para quê? Por quê? Por quem? Para quem? Com quem? Onde e por onde começar?
Aos passos que movimento, paro, evoluo e me comunico ainda melhor.

Por muito tempo quis me comunicar apenas com olhares, gestos como fazia os pais dos meus pais, onde por força de hábitos e o velho costume cultural (os mais velhos ao fazerem um olhar diferente já se entendia como um ato de reprovação ou aprovação quanto às ações dos mais novos) educava seus subordinados.

O homem precisa evoluir quanto aos seus hábitos comunicativos.
Acho que até hoje pouco me comunico. Será este o motivo da criação desse espaço virtual de comunicação? Sim!!!

No espaço que me rodeia as várias formas de expressão são muitas. A tecnologia de um mundo globalizado universalizou o aumento da comunicação, por outro lado aumentou os péssimos costumes de se comunicar.
Você? Ou vc? Teclar? Ou tc?

Diminuiu os vocábulos para aumentar o tempo de troca de informação. Troca de ignorância e perda de valores linguísticos.

Na Vida Nada é Tudo, Tudo é Pouco e Pouco é Nada, vivemos um ciclo vicioso já disse este que vos escreve. Muitas das vezes damos valor a algo que não vale nada.

Comunicar deve ser entendido como ar oxigênio para sobrevivência dentro do Espaço Geográfico da informação, dentro do Meio-Técnico-Científico de Milton Santos.
Não é aceitável se comunicar nas formas atuais em expressões populares, poemas científicos, dialetos repetitivos, frases celebres, soltas e decoradas.
De quem é a culpa se é que tem algum culpado?
Da evolução de pensamento?
Da liberdade de expressão?
Do acesso à educação? Ou isso tudo tem mais haver com a falta dela (educação)?

Por alguns anos venho montando um acervo de dados que reúne as mais diversas citações seja elas de pensadores clássicos seja elas de anônimos.
Para que este acervo? Qual é mesmo a serventia dessas citações fraseadas?
Estas e outras perguntas podem ser respondidas facilmente: construção de meu livro que trata da reflexão acerca das nossas ações direcionadas pelas malditas palavras.
A língua é que faz começar uma guerra. A mesma também declara AMOR  ao próximo trazendo paz ao mundo.
Ou pedaço de mau caminho este órgão que se esconde na boca!!!
Maldita língua. Coisa que eu não sabia é que minha língua podia e será mair forte que qualquer músculo do meu corpo. Forte, venenosa, traiçoeira, persuativa, profana, libertadora e bondosa a ponto de me prender aos vícios mundanos. O conhecimento, independente de onde e de quem vêm, é importante quanto às ações para com o próximo e à natureza.

Na próxima edição partilharei com vocês (vcs) as várias citações que falam de política, sociedade, natureza, educação, mulher, amor, etc, em todas as suas formas.

Que tal fazermos uma reflexão a partir dessas frases?
Aguardem........

Fto-vamps.blog e kaka-anak

Nenhum comentário:

Postar um comentário