30 de julho de 2010

O Desencontro entre Cultura e Prefeitura de Esperantina

Ontem estive participando do I Fórum Cultural do Território dos Cocais aqui em nossa cidade. Muitas autoridades estiveram presentes. Dos trezes municípios de todo o território apenas três gestores se fizeram presentes. Os Chicos Antonio, Lima e Marques.

O Ministério da Cultura esteve sendo representado pelo piauiense Fred Maia, o Governo Estadual pela presidente da FUNDAC Sônia Terra e a Fundação Banco do Brasil pelo Marcos Fadanelli.

Este Fórum está sendo organizado pelo PDTIS (Programa de Desenvolvimento Territorial e Integrado Sustentável).
Alguns pontos me deixaram de cabelo em pé. Realmente Esperantina é um espaço geográfico particular.
No início da década de 1990 lembro-me de participar, na platéia, de apresentações teatrais em um espaço específico para esta arte.

Vamos ao que me chamou a atenção:

1º - Por que este evento não está acontecendo no Auditório da Secretária de Cultura da Cidade?

Se o gestor municipal me responder: Porque a referida Secretaria não dispõe de um espaço adequado, pergunto:

2º - Então por que este Fórum não está funcionando no Teatro Municipal Diniz Chavez?
Caso o gestor municipal queira se desculpar falando: Porque o nosso teatro está desativado por falta de infra-estrutura a mais de 10 anos, questiono:

É Louvável que se discuta sobre Cultura. O que não é louvável é um Show musical não ser apoiado pelo poder público em nossa cidade, como também não é louvável termos uma péssima Secretaria de Cultura - refiro-me à infra-estrutura - e consequentemente não termos um secretário efetivo e competente frente a esta página.

Como podemos discutir políticas públicas voltada para este tema se não temos o bom senso sobre tal fato?
Por qual córrego desceu um Cinema permanente em nossa cidade?
A presidente da FUNDAC relatou nesse Fórum sobre os trabalhos desenvolvidos em todo Estado, melhor dizendo, nas cidades pólos do Piauí. Esperantina está de fora dos programas BOCA DA NOITE, CINE MÓVEL dentre outros. Nunca ouvir falar de algum grupo artístico esperantinense se apresentar na capital em algum programa da FUNDAC.
Falta de talentos é que não é, pois Pedro & Paulinho tem competência para se apresentarem em qualquer lugar do Brasil.

Imagine só se o atual gestor de Esperantina não fosse amigo íntimo da presidente da FUNDAC. Como seria?
Só sei que esta pasta não está funcionando a muito tempo, deste o professor Valdemir Miranda.

Passou José Luiz e nada. Passou o competente professor Bernardo Rocha e nada. Este último caso devido o desinteresse e incompetência por parte do ex-gestor.

E agora? Será o desinteresse, a incompetência ou apenas a falta de bom senso por parte do governo atual? Uana, Carlos Cardoso, Maurício Costa! O que tem de errado nesses seres humanos? Acredito que não depende apenas de um secretário, mas de toda uma equipe, da boa vontade do poder executivo e atuação permanente do poder legislativo.
Não temos que jogar as responsabilidades nos outros, ou seja, descentralizar o poder onde não há centralização nenhuma, nem aqui nem na lua.
Kolping, associações de bairros, de quadrilhas juninas, grupos artísticos não podem se responsabilizar se o poder executivo não se responsabiliza primeiro.

"Povo sem cultura é como árvore sem raíz, não consegue viver".
Ftos- jornalesp e trocandoemmiudos

2 comentários:

  1. meu amigo marcelino nessa parte onde você fala sobre a cultura de Esperantina realmente você pode ter uma razão, mais em certas partes, mais também você poderia se irformar mais sobre a situação deste caso, agora dizer que temos talentos, sim temos varios, mais falar que Pedro e Paulinho pode tocar em qualquer luar do Brasil, ai ja é demais, os rapazes comessaram agora e ainda tem muita coisa para frente.....

    ResponderExcluir
  2. Caro Marcelino, parabéns pelos questionamentos que infeslizmente não serão respondidos pelo atual e nem os ex-prefeitos de Esperantina. Há sim estava esquecendo que se tivesse vivo, poderia lhe responder o finado Chagô que tinha como secretária o competente Iluska, sua filha que desempenhou um ótimo trabalha até quando Deus permitiu sua estadia conosco. Pois sim voltando a atualidade, o atual gestor e os demais que passaram nunca tiveram nenhum interesse pela nossa cultura. Alguns acham que fazer micareta é fazer cultura, que colocar a banda explosão do som pra tocar na praça é fazer cultura, que fingir que gosta de cultura apenas por é negro, do povão, do trabalho e humildade, do sofolia é fazer culcura. Estão todos enganados e não o povo. Aliás, trabalhar pela cultura é uma das formas mais nobres de fazer política. As manifestações culturais revelam o DNA de um povo, como uma sociedade cresceu e se desenvolveu. Bom, vou parar por aqui, mas espero que com essa reflexão o prefeito Chico Antonio acorde e junte o povo que faz cultura em Esperantina e aprenda a fazer o que a cidade merece. Chame o Valdemir Miranda, o professor Bernardo, o Maurício Costa, o Elias Júnior e os demais agentes culturais da cidade e aprenda como fazer a cultura que eles sabem fazer e pode ter certeza que o povo vai gostar. Abraços amigo Marcelino continue assim....

    ResponderExcluir