6 de setembro de 2013

Horário Pedagógico para uns e para outros não.

Fto - onedemendes
Mais uma vez estamos aqui indignados com a situação educacional que nos é colocada.
O horário pedagógico é Lei de acordo com o Parecer 18/12 do Conselho Nacional de Educação e mesmo assim está sendo desrespeitado, omitido, pelo menos para alguns professores da cidade/problema na área da educação chamada Morro do Chapéu.
Estou sabendo que está acontecendo algumas reuniões com os secretários de educação dos municípios do Território dos Cocais com o objetivo de acochar os eixos dos profissionais da educação e em especial os dos professores. Que pena!

Sai Gestor e entra a Titia e parece que a pasta da educação continua na mesma na cidade entre a nossa e Luzilândia.
Dois ou mais professores tem um dia de folga durante a semana enquanto muitos devem ir para as escolas todos os cinco dias da semana lá na vizinha cidade dos "babões calados que gostaria de reclamar, mas não podem". Isso está certo? Alguns têm regalias e outros não? Por quê? Faço estas perguntas por conta de algumas denúncias que até nós chegaram.

Estes professores que tem horário pedagógico (diga de passagem) fora da escola são dispensados para vim trabalhar na escola particular da irmã da secretária de educação daquele município. Verdade secretária? 
Respeitando as normas éticas da profissão não devo citar o nome das professoras dispensadas, mas poço dizer que fazem parte da Física e Educação Física.
A cada dia mais reclamações são feitas. Parece que até o Promotor já está ciente de alguns. Entre os problemas que o promotor sabe está a falta de preenchimento de algumas vagas que foram ofertadas no último concurso e até agora não chamaram os aprovados para serem homologados no cargo como diz a bendita Lei.

Dessa forma não teremos progresso social muito menos educacional. Enquanto existir estas técnicas de cidade pequena onde o gestor manda e desmanda e o povo, com medo das repressões, se omitem de seus direitos.

"Sou o que eu penso, para vocês, sou o que eu transmito".

Um comentário: