22 de outubro de 2013

Se a Greve acabar, o culpado é o Sindicato.

Foto:clichoje
Qual proteção trabalhista tem os servidores públicos de Batalha-PI? A Constituição de 1934 previu o pluralismo sindical: de um lado o sindicato dos trabalhadores e do outro os empregadores.
Com a nossa última Carta Magna não é diferente.
Todos sabem que os servidores públicos da cidade de Batalha-PI estão em GREVE deste o dia 10/10. Por organização do SINDSERM (Sindicato dos Servidores Públicos de Batalha) e por motivos mais óbvios possíveis: atraso de pagamentos, falta de reajuste do piso salarial dos professores referente ao mês de Janeiro/13, Abono Férias (2012 e 2013), etc, os servidores estão nesta luta por melhorias.
Até o momento muito tem se ouvido do esposo da Gestora Teresinha Lages que em bom tom diz que só quem está errado são os professores, auxiliares, vigias e demais servidores que enfrentam de cabeça erguida esta LEGÍTIMA GREVE. Diz também que a falta de dinheiro para os professores é por conta de um convênio de 2010 entre a prefeitura e uma empresa de Recursos Hídricos para se fazer poços tubulares em algumas localidades do município e que não foi prestado conta por parte do ex-gestor. Dinheiro do FUNDEB não tem nada haver com isso.
A gestora que deveria se pronunciar fica de boca calada como se fosse de propósito esta atitude de não respeitar os direitos dos servidores. Será que estão querendo alavancar alguma verba através dos descontos dos servidores por conta das faltas que os mesmos estão levando por não comparecerem ao trabalho? Caso seja verdade, terão muito dinheiro em caixa neste fim de mês.

Motivos existem para a Greve, então porque a mesma é ilegal?
 
As reivindicações já foram feitas. O governo municipal não se pronuncia sobre o caso. Então a greve deve continuar. Não podemos pensar nos direitos dos pais de alunos, nos direitos dos alunos antes mesmo de pensarmos em nossos próprios direitos. Se for questão de pensar, então quem jurou/prometeu (atual governança) não está 'pensando' nos direitos de quem um dia pediram votos, pediram para representá-los tanto (pais de alunos e consequentemente nos próprios alunos) no poder executivo como no legislativo.

Fizemos sim nosso juramento profissional. Mas não fomos só nós que fizemos. Os políticos partidários também fizeram e fazem. Não me venham com esta história de 'trabalhe por amor', pois vocês mesmo donatários desse discurso não trabalham sem receber no fim do mês.

Caso a GREVE termine agora sem nenhuma reivindicação atendida o culpado será o SINDICATO. Esta é minha opinião. Não 'fizemos' GREVE (sou sócio) em troca de promessas. Queremos algo concreto e agora mesmo. No meu caso, quero, 'agora', meus abonos férias e o reajuste de Janeiro/13. Minha reivindicação é esta e até o momento não foi atendida. Resultado? A Greve deve continuar.

Não quero acreditar que esta Greve está sendo usada como forma de fazer política. Não quero acreditar que o presidente do Sindicato quer apenas se promover com esta aparição pública dos últimos dias. Não quero acreditar que tudo será por água abaixo depois de uma conversa entre 4 paredes e muitas trocas de favores e benefícios para as próximas eleições. Não quero querer acreditar nisso.

"Sou o que eu penso, para vocês, sou o que eu transmito".

Nenhum comentário:

Postar um comentário