23 de julho de 2014

Vandalismo ou Direito de Protestar?

Esta semana ficará, sem dúvida, marcada como sendo uma semana daquelas onde jovens estudantes foram às ruas e mostraram seus rostos e protestaram contra a morte de uma árvore, a favor do meio ambiente.

Os estudantes do turno da noite do CEEP Leonardo, apoiados pela diretora, deram um exemplo de que o Meio Ambiente deve ser visto como aliada do desenvolvimento econômico.
Jamais os interesses capitalistas devem ser mais importantes do que a sustentabilidade ambiental.

A polêmica feita pela bela manifestação dos estudantes contra a morte da árvore (projeto de arborização da do CEEP Leonardo das Dores) está com foco errado.

Tanto o Promoter de Eventos como o próprio Centro Estadual foram e estão sendo prejudicados. Os menos culpados nisso tudo são os mesmos.

A culpa maior desse rebuliço todo é o empresário Evilásio Sales. Em primeiro lugar, o empresário está errado por erguer seu Outdoor em lugar irregular, pois o terreno é do Estado e o Estado não o permitiu erguer tal empreendimento.
O segundo erro do empresário foi de envenenar a árvore, desrespeitando o Código de Postura do Município e as Leis Ambientais.

Entendo que o Promoter de Eventos Danilo Marques esteja revoltado pelo prejuízo obtido. É importante dizer que este prejuízo foi provocado pelo empresário dono do Outdoor e não pela escola que pintou o outdoor de preto em protesto conta o crime contra o Meio Ambiente (árvore). O empresário tem culpa nisso devido ter vendido o espaço sabendo que o outdoor está localizado em lugar proibido.

Outra coisa é ser observada são as proferidas palavras do Promoter em uma rede social. O mesmo afirmou que a manifestação foi um ATO DE VANDALISMO/ATO CRIMINAL provocado pela escola (direção e alunos).
Como organizador de Festas, Danilos Marques deveria saber que quem compõe, na sua maioria, suas festas são os estudantes de Esperantina, boa parte sendo do Leonardo das Dores. Então chamá-los de vândalos pega mal para seus futuros empreendimentos festivos, inclusivo o White de Luxo (02/08).

Quem provoca vandalismo são "vândalos". Então como o promoter chamou os estudantes de vândalos, estes não devem ir para festa que estava sendo divulgada no outdoor, caso os estudantes forem à festa, a mesma será a celebração do vandalismo composta por alguns VÂNDALOS? Sem falar que o mesmo afirmou que a escola incentivou tal ato.
As árvores plantadas na frente da escola teve apoio de uma professora (que também compõe a escola) que muito defende o Meio Ambiente. A escola é feita de homens e mulheres, de professores, diretores, auxiliares e alunos. Falar que a "escola" incentivou esta manifestação é muito complexo, pois até a professora incentivadora da arborização entra no caso. Não acredito que professora ficará contra seu filho.

Entendam que a manifestação foi contra o empresário, contra o Outdoor. E por que só agora (21/07) fizeram isso? Porque só agora a direção da escola observou a morte da árvore (envenenada pelo empresário com óleo diesel no dia 14 de Abril).
Infelizmente a anúncio que estava no Outdoor era do Promoter.

Que o culpado seja responsabilizado tanto pela venda proibida do anúncio no outdoor como pela morte da árvore.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário