4 de novembro de 2014

Educação em Batalha só funciona com Ação da Justiça.

Os governantes de Batalha, de hoje e de ontem, deveriam ter vergonha na cara.
Ser eleito para representar o povo não é um trabalho, é uma tarefa social.
A cidade de Batalha, Norte do Piauí, não sai do atraso socioeconômico porque seus governantes querem governar para seus aliados e não para toda a sociedade.
Quando os 'Melos' são eleitos, estes governam apenas para sua 'panelinha'. Quando os 'Lages' vencem as eleições, o governo é feito apenas para, também, sua panelinha.
E assim vai sobrevivendo esta cidade.

Representar o povo é pôr em prática as políticas públicas em todos os âmbitos: social, político, econômico, cultural, natural etc.

Em Batalha isso só vai se for à marra, pela Justiça. Caso a Justiça não ordene, os governantes não fazem o que devem fazer.
A atual gestora Teresina Lages, esposa de Antonio Lages, até tem boa vontade de ajudar o próximo. Uma pessoa religiosa e de família. No entanto, governada pelo esposo e filho, não está fazendo um bom governo por inúmeros motivos.
E um desses motivos se refere ao pecado capital de uma gestão pública: atraso de pagamento dos servidores públicos de uma cidade. Neste caso, especificamente, dos servidores da educação.
No segundo semestre de 2014 (de Julho para cá) os atrasos tem ocorrido a cada mês. Uns profissionais recebem e outros não. Não existe uma tabela de pagamento. Parece que estão tirando dinheiro de outras secretarias para cobrir as despesas da educação. Como diz o ditado: "se tira e não repõe, um dia acaba".
Estamos no penúltimo mês do ano de 2014 e outro atraso se arrasta: até agora o Piso Salarial não foi pago à classe. Uma coisa dessa jamais deveria acontecer. No máximo no mês de Fevereiro de cada ano este Piso (que deve ser aprovado seu reajuste a cada ano) já deveria ser pago a todos os profissionais da educação. No entanto, em Batalha, como a Justiça ainda não obrigou a prefeitura a pagar, a gestora juntamente com seu esposo vai empurrando com a barriga este desrespeito que muito envergonha a educação e todos que dela necessitam.
As últimas notícias que temos sobre estes atrasos de pagamento na cidade de Batalha dão conta de que a Juíza de Direito daquela cidade, através do Sindicato que representa a classe, avisou a prefeitura de que caso a mesma não pague os profissionais da educação até o quinto dia útil de cada mês, a prefeitura fica obrigada a fornecer um Relatório à Justiça explicando o porquê do não pagamento ou mesmo informando quem ainda não recebeu seus vencimentos até este quinto dia útil. Caso não fornece este Relatório, a Juíza irá pedir o bloqueio das contas da prefeitura para que não haja desvio de conduta administrativa quanto às verbas federais para a educação.

Vamos esperar os acontecimentos ocorrerem, até lá devemos pedir desculpas aos nossos cobradores pelos vencimentos de nossas contas.

"Sou o que eu penso, para vocês, sou o que eu transmito".
Fto- batalha.pi

Nenhum comentário:

Postar um comentário