9 de fevereiro de 2015

Contradições de uma gestão municipal

A cada início de ano as secretarias de educação gastam umas altas verbas educacionais para promover a Semana Pedagógica.
Esta semana pedagógica acontece para auxiliar todos os envolvidos na educação municipal em mais um ano letivo que há de começar.

São 'contratados' vários profissionais para ministrarem aulas para os vigias, auxiliares, diretores, coordenadores e principalmente para os professores com o intuito de melhorara a educação.

São feitas discussões, debates, oficinas de ensino/aprendizagem, vídeos e músicas são apresentadas e muitas outras formas de contribuir para com os profissionais da educação e consequentemente aos alunos em sala de aula.
Eis que na cidade de Batalha-Pi, governada por Teresinha Lages, a semana pedagógica teve início hoje.
Vários profissionais foram contratados, esta palavra 'contratados' não me soa bem, para ministrar as aulas durante estes quatro dias de semana pedagógica. A primeira contradição: semana tem 5 dias úteis, em Batalha apenas 4. Mas tudo bem! Verás que serão mencionadas várias vezes a palavra: contratados.

Eis que o dia 11/02 (Quarta-Feira próxima), a partir das 14:00h na Câmara Municipal de Batalha, ficou reservado para os professores  do Ensino Fundamental II (do 6º ao 9º ano) receberem uma palestra. Enquadro-me nesta classificação.

E qual será o tema da Palestra, que será ministrada pelo professor 'contratado' Luiz Marinho, para estes professores do Ensino Fundamental II?

O tema será: Criatividade e Motivação em sala de aula?

Este tema é uma Contradição ou Solução em relação aos problemas que os professores de Batalha hoje enfrentam?

Dar licença senhoras Secretária e Gestora.

Como os professores terão criatividade e motivação dentro de sala de aula se fora dela as coisas não anda nada bem?
Estão com brincadeira com a gente. Só pode ser.

Não é possível que um professor, que não seja bajulador de uma administração municipal, consiga ter criatividade e motivação em sala de aula sabendo que existe, fora dela, um processo administrativo para exonerá-la do trabalho.
Não é possível que um professor de bom senso consiga trabalhar 'bem' em sala de aula tendo em casa muitas contas a pagar por não ter recebido dois Abonos Férias (2013 e 2014).
Não consigo ver um professor, tendo seus direitos negados por uma administração municipal, desempenhar suas funções da melhor forma.

Não existe uma Palestra no mundo que consiga fazer com que um professor entenda que seu "direito" de receber o Piso Salarial está sendo negado há 14 meses e principalmente ver que a Justiça desse país não faz nada contra esta atitude arbitrária do poder executivo municipal.

A criatividade dos professores, neste caso, será de como encontrar maneiras para sobreviver quanto às inúmeras contas a pagar: água, luz, gás, aluguel, remédios, escola, etc.
A motivação dos professores será em saber que daqui à 22 meses isso pode mudar, para melhor. Daqui até lá pode ser que doa muita estas contradições do poder executivo comandado por Teresinha Lages e seus aliados, mas mesmo assim os professores irão suportar, acredito eu.

"Sou o que eu penso, para vocês, sou o que eu transmito".

Fto - ezeqrodrigues

Nenhum comentário:

Postar um comentário