14 de março de 2016

Esperantina sem semáforos

Paah! Morreu mais um!
Paah! Morreu mais outro!

Você conhece alguma cidade sem semáforo? Ou devo perguntar se você conhece alguma cidade COM semáforo?
Quase impossível responder a esta primeira pergunta? Não! Não mesmo, não é mesmo?
É possível sim. 
Cidades altamente desenvolvidas, com alto grau de instrução por parte de seus povos, situadas no velho mundo (Europa) estão banindo os semáforos.

"Para que cores (verdes, amarelos e vermelhos) a nos guiar? Somos muito mais que este instrumento que nos diz a hora de podermos ir ou vim", estão dizendo certos cidadãos de cidades da Alemanha, Holanda, Inglaterra, etc.
Projetos desenvolvidos nestas pequenas cidades europeias estão sendo implantados com a justificativa de que se o homem pode criar tecnologias para determinar seu comportamento nas ruas e avenidas urbanas, o mesmo (homem) é detentor de uma inteligência que faz com que estas tecnologias seja desnecessária para o mesmo.

Pensando nisso, vejo que Esperantina deixa de viver como se estivesse no século XIX (precariedade quase total em infraestrutura) e passa a ser considerada uma cidade moderna, realmente do século XXI, no que diz respeito ao trânsito, por copiar esta política do bom convívio no trânsito em não adotar mais semáforos em suas ruas emburacas e avenidas descuidadas/esquecidas.

Para quem não sabe, o trânsito esperantinense é de responsabilidade do governo municipal, e não mais estadual.
E pelo que posso diagnosticar, o primeiro projeto nesta área, deste o governo municipal passado, foi exatamente este: fim aos semáforos.
Ambientalmente, por um lado, é positivo, pois não irá gastar energia elétrica com as três cores que vivem a se alternarem no comando da vida humana.
Como podem ser bem vistas, as ruínas dos últimos semáforos esperantinenses estão servindo de estrutura natalina. Reaproveitamento, é ordem!

Cidades como Teresina, Parnaíba (as duas maiores do estado), Altos, Campo Maior, Piripiri, Pedro II já podem ser consideradas ultrapassadas, antigas no que se refere a adoção de semáforos para conduzir sua gente, como se isso foi necessário para um animal tido como racional.

Se você ainda não conhece uma cidade sem semáforo, seja bem vindo à Esperantina. Aqui você, além de não se preocupar com semáforos, não precisa se preocupar em andar com capacete, em ter carteira de motorista, em andar na mão, muito menos respeitar velocidades.

"O trânsito é direito seu, portanto, faça dele o que quiser", este está sendo a ordem do dia, do mês, do ano, da década, do século XXI em Esperantina.

Salve quem puder.

Fto - blogdagaivota

Nenhum comentário:

Postar um comentário