15 de agosto de 2016

Convenção do PT em Esperantina

Boa tarde, seja bem vindo. 
- Posso colocar um adesivo de nosso partido em seu peito?
- Não

- E eu posso?
-Não

- Não acredito que ainda continua em cima do muro.
- Só não estou em cima do morro, mesmo assim não preciso de um adesivo de uma instituição, e de nenhuma outra, que não defendo.

E assim foi minha chegada à Convenção do PT nas dependências do Clube Recreativo Princesa do Longa na tarde de Sexta-Feira (05/08/16).
Como estive presente na convenção dos partidos lá do morro, não poderia deixar de ouvir os discursos dos convencionados do partido dos trabalhadores.

Por está em um ambiente maior, a primeira impressão foi que teve mais pessoas nesta convenção do que na outra.

Pessoas que muito me estranhou, esteve presente.
Pessoas que há quatro anos tinham armas até nos dentes contra o partido dos trabalhadores e seus defensores, lá estavam com o adesivo no peito e as mãos a baterem em aplausos à candidatura de Vilma Amorim.

São estas ações e tantas outras que fazem desse que vos escreve ter mais receio de defender uma sigla, pois as ideologias partidárias não passam de vontades pontuais e eletistas.

Os discursos foram sendo feitos por quase todos os 54 candidatos a vereadores, enquanto este aqui chegava mais perto da certeza de que ser bajulador é uma profissão que só se aperfeiçoa em períodos eleitorais. Apesar de que, na convenção dos amarelos tinham bem mais desse tipo de 'profissionais'.

O governador não esteve presente, mais mandou dois deputados estaduais: Janaína Marques, que não conseguiu colocar o candidato a vice-gestor na coligação encabeçada por Vilma Amorim, e o padrinho político da atual gestora, Francisco Lima.

Francisco Lima falou que Vilma Amorim, a gestora da Transparência, precisa combater o poderio econômico do outro lado, pois quem os acompanham são apenas aqueles que sobrevivem de um salário no fim do mês, enquanto quem estavam ali era pessoas que acreditam no trabalho do dia a dia, da organização, do planejamento e da gestão apaziguada de Vilma Amorim.

O ex-deputado Ismar Marques, padrinho político de Jânio Aguiar e Jânio Filho (jovem candidato a vice-gestor de Vilma Amorim), se fez presente.

Sem muita tolerância para conversa fiada de alguns pobres coitados candidatos a vereadores, estive atento ao discurso da gestora e candidata do PT Vilma Amorim.

"Quando perdeu a campanha para deputado federal, em 2014, ele (Marlos Sampaio) falou que não precisava dos votos de Esperantina, e agora vem aqui pedir votos dos esperantinenses".
"Ele (Marlos Sampaio) se diz ser de Esperantina, apaixonado por esta nossa terra, mais não sabe quais são os padroeiros de Esperantina".

Depois dessas duas colocações, que para mim não passaram de duas facadas políticas, percebi que a até então professora/técnica Vilma Amorim passou a ser uma política partidária de carteirinha.

Estas duas colocações são totalmente verdadeiras. Até a oposição não pode negar.

Acho que o sereno político Francisco Lima tem dado a lição correta para a calma Vilma Amorim saber lidar com políticos politiqueiros que a mesma terá que enfrentar nestes próximos dias.

Muitos falam do carisma do candidato lá do morro, ao tempo que dizem que Vilma Amorim não é associável, amigável.
Em algumas partes, sobre Vilma, é verdade.

No entanto, como o próprio candidato a vereador Manoel Filho falou em seu discurso: "pelo menos Vilma Amorim não gosta de andar com bajuladores para mostrar para a sociedade que é uma pessoa amiga".

Em suma, pude constatar que a briga será grande: governador versus presidente da ALEPI, uma atual gestora municipal versus um ex-deputado federal PT versus PMDB, pobres versus ricos, 54 candidatos a vereadores versus 52, zona rural versus zona urbana, trabalhadores versus comissionados de DAS, vermelho versus amarelo, 13 versus 15, mulher garrida versus menino mimado.

Que vençam aqueles que sejam melhores para todos os esperantinenses.

Fto - espiaonoticias

Nenhum comentário:

Postar um comentário