13 de dezembro de 2017

Ignorância Natalina

"A ignorância é uma benção".

Não sei onde ouvi esta frase. Não quero acreditar nela. Conformar me como um ignorante talvez seja a primeira confirmação de que realmente somos.
Mas somos mesmos.

Muitos de nós nascemos de um relacionamento ignorante.
Passamos a vida toda em um Meio ignorante. Aprender ignorância não é difícil. 

Sabemos pouco de nós mesmos. Usar apenas 10% de nossa capacidade cerebral é prova disso.

Mal conseguimos falar um idioma. Muito mal distinguimos entre o preto e o branco. Olhar apenas para os interesses próprios apesar de que lemos que devemos compartilhar o pão não passa de ignorância.

Os mais sábios sempre se acham inferiores quanto a capacidade de interpretar a natureza e a ciência como de fato devem ser.
Imaginem aí os poucos alfabetizados aprisionados na preguiça de tentar conhecer o mundo que lhe rodeia através de experimentos reais.

Passamos a vida toda achando que ler 12 livros por ano, terminar um faculdade, plantar um árvore ou mesmo ter uma "opinião" para qualquer assunto é demonstrar que somos inimigos da ignorância.
Talvez pensando assim já seja uma perfeita aberração intelectual que cada um leva consigo até a sua morte.

Estamos próximo do recomeço, da solidariedade humana, do compartilhamento, do arrependimento, da renovação e tantos outros atributos nos dado pela palavra e mesmo assim está sendo um momento de ignorância.

Imaginemos nós meio a tantos atrasos salariais e sem nenhum enfeite natalino. Muitas das vezes os olhos enganam o que o coração não pode falar.
Mas dizer que não podemos ser diferente pelo mero capricho de que outras cidades estão sendo tradicionais, é ignorância.

Esperantina é abençoada, talvez a única cidade que tenha um jumento enterrado abaixo da prefeitura municipal, então por que não ser diferente quanto aos enlaces natalinos?

Opa, opa, opa. V]ao dizer que não posso diferenciar do verdadeiro papai noel?

Fto - misterplay

Nenhum comentário:

Postar um comentário