14 de janeiro de 2014

Novo Bairro, Velhos Problemas.

Foto: npianegonda
É de costume catalogarmos as pessoas, os problemas (sociais, religiosos, econômicos, financeiros, culturais), as drogas, o amor, a vida, etc. Começamos mais um ano. Aqui estaremos nos confraternizando em festas baratas (nem tanto), mas suficientes para nos alucinar da vida real, pelo menos um instante.

Nasce em nossa cidade um novo bairro. É hora de mudança. Mudança de vida, de endereço, nem tanto de problemas. A sociedade em grupo tem lá seus benefícios. E os problemas? Em nosso Estado quase morto, ineficiente por nascença ultrapassam até mesmo nossa salvação. Aqui me refiro ao Estado que não é nação.

Esperantina agora irá contar com mais demanda de energia elétrica e continuará sem ofertar uma iluminação pública necessária para iluminar o caminho do progresso. Mais agentes de saúde deverão ser contratados para diminuir os velhos problemas de saúde, sem falar nos novos postos de saúde que deverão ser construídos. Por enquanto o novo bairro não contará com uma estrutura educacional e sendo assim exacerbará o problema do transporte escolar. A violência noturna? Não posso nem ver os noticiários com tamanha insegurança. Isso mesmo. Mais policiais devem vim. Aí vem outra prova do concurso da PM piauiense. Quem sabe dessa vez dar certo. O consumo poderá até ser o mesmo, mas o lixo terá novo endereço e estará mais distante do velho lixão demandando assim mais transporte irregular, combustível, sujeira, depósitos que não são seletivos, etc. Será que teremos água todo dia? Será que alguém irá morrer na PI que liga o novo bairro ao centro da cidade? Ah sim, transporte em nossa cidade já é ruim, agora só vai piorar.

O modo de vida dos novos moradores será diferente do que eles viviam nos antigos endereços. Novos, mas conhecidos, vizinhos serão erguidos. A classe social não será muito diferente do restante da cidade, apesar de que este bairro pode ser considerado uma nova Esperantina dentro da velha Esperantina por nascer já com toda (nem tanto) estrutura habitacional.

Mais não sou apenas negativo ou crítico construtivo. O novo bairro, construído com o aval da CEF e todo estruturado de acordo com o Estatuto das Cidades, irá proporcionar alívio aos seus novos moradores por deixar de morar de favores ou pagar aluguel. A cidade ficará mais bela com este belíssimo conjunto de casas enfileiradas.  
Os alunos da educação básica de nossa cidade terão um novo campo de estudo dentro da geografia. Quais serão os principais desafios, angústias, alegrias desse bairro que nasce depois de tantos problemas burocráticos?

Vamos esperar os acontecimentos geográficos ligados a este bairro.

"Sou o que eu penso, para vocês, sou o que eu transmito".

Nenhum comentário:

Postar um comentário