21 de junho de 2016

O Teatro da política está montado

Apenas 10% das cidades brasileiras tem Teatro. Por outro lado, 100% delas sofrem com políticas seletistas.
Teatro é um termo de origem grega que designa simultaneamente o conjunto de peças dramáticas para apresentação em público e o edifício onde são apresentadas essas peças.
É uma forma de arte na qual um ou vários atores apresentam uma determinada história que desperta na plateia sentimentos variados.
É uma arte entre tantas do ser humano.

A sociedade abastada brasileira, desde a chegada da família real portuguesa em terras tupiniquim, é condicionada a ser seletista: existe cultura para os ricos e para pobres.
Somente pequena parte da população era e ainda é selecionada a receber tais culturas 'ricas'. Seja por conta financeira ou pelo ecocentrismo humano de viver separados da classe menos favorecida socialmente é que os mais favorecidos politicamente do Brasil direcionam políticas públicas de lazer e recreação à grande massa populacional.

Por isso e tantos outros motivos é que ainda deparamos com atitudes vergonhosas de governantes em achar que fazer/oferecer cultura do lazer aos marginalizados socialmente seja algo extraordinário.

Como não é de costume, até que poderia ser considerada uma benfeitoria das mais excepcionais esta questão de fazer ou reformar teatros, bibliotecas, museu, estádio de futebol, praças, academias.

Tais políticas, em um mundo 'correto', deve (isso mesmo: deve) ser costumeiras, de todos os anos. E o recurso para ser fazer isso? Deve ser o recurso da boa vontade, da sinceridade, da boa gestão, do obrigado a fazer.

Não é admissível termos que esperar por vias públicas limpas, boa iluminação pública, espetáculos de teatros, de segurança pública funcionando, remédios e profissionais presentes nos postos de saúde e hospitais, atividades esportivas a funcionar/acontecer apenas em ano eleitoral.

Nos podemos acreditar mais nessa dramaturgia barata da política partidária em querer vender (propaganda fútil) sem valor algum.
Logo...logo nossa sociedade "voltará" a ficar ociosa por falta de ambientes de lazer (teatro, biblioteca, estádio, etc), provocando menos educação e mais insegurança pública, pois quando acabar a 'votação' tudo voltará a ser como era ontem: teatro sem palco e palco desmontado.

"Posso não concordar com nenhuma palavra que você diz, mas defenderei até a morte o direito de dizê-la". (Voltarie).

Fto - vozdaalma

Nenhum comentário:

Postar um comentário