17 de setembro de 2012

Ainda há tempo para recuperar

Foto: qrolecionar.blogspot.com
O Centro Estadual de Educação Profissional Leonardo das Dores preocupados com o rendimento de seus alunos realizou uma reunião para tratar dessa problemática pedagógica que é a de recuperar e garantir a aprovação no fim do ano dos discentes.
A reunião aconteceu sábado passado (15/09/12) no próprio prédio do CEEP com toda a comunidade escolar: líderes de turma, conselho escolar formado por funcionários e pais de alunos, professores e núcleo gestor.
Avaliar o aluno já é difícil, recuperar-lo é ainda mais problemático devido um mês de estudo já ser complicado imagine só reunir o conteúdo dado durante dois meses e pôr para o alunado se debater com as inúmeras variáveis de estudo sistemático e planejado.
A chave é montar um grupo de apoio pedagógico para acelerar a aprendizagem daqueles que ainda estão com mais dificuldade.
Por que o aluno fica de recuperação?
O problema é o professor, a instituição de ensino ou o próprio aluno?
Digamos que os três podem influenciar na nota final, mas a culpa maior é sim do próprio aluno. Independente de qualquer coisa toda escolha têm uma consequencia, então sejamos livres para pensar no que queremos para nosso futuro.
Plantar e não colher não basta, querer colher sem ter plantado é acomodação.
 O segundo semestre está chegando e devemos nos preocupar com um diagnóstico preciso, metas, programas de atividades extra-classe, com um cronograma bem definido para sim ir para a avaliação final.
Os profissionais devem sim se reunirem para melhor o aprendizado, no entanto nada será válido se o aluno com dificuldade reconhecer que deve mudar hábitos e atitudes cotidianas dentro e fora da sala de aula.
O núcleo gestor do CEEP Leonardo das Dores liderado por Elisaldete Barros deixou claro que para o ano que vêm aluno que não atingir a média bimestral irá para a recuperação com nota zerada e para o mesmo poder fazer a recuperação é necessário atingir uma nota pré estabelecida para as duas avaliações bem com ser aprovado por uma junta pedagógica formada por seus professores nas mais variadas ciências possíveis.
Elisaldete Barros deixou bem claro que todas estas medidas são em prol do aluno, ou seja, esta reunião estava acontecendo em defesa do aprendizado dos alunos e não como forma de punilos.
Leonardo das Dores

Nenhum comentário:

Postar um comentário