23 de maio de 2017

As vantagens da Moeda Social Comunitária "Longá"

Recentemente a cidade de Esperantina-PI ganhou um Banco Comunitário - Retiro, e mais do que isso, passou a usufruir da Moeda Social "Longá".

Como as cidades de São João do Arraial e Pedro II já contam com as moedas "Cocal" e "Opala" respectivamente, Esperantina também agora conta com esta estratégica econômica de desenvolvimento local.

Como já disse, defendo uma moeda mais ampla dentro do Território dos Cocais, ou seja, uma moeda 'local' em âmbito 'regional'.

Enquanto isso não acontece, vamos trabalhar para prosperar com o Longá.

Entre as etapas de integração entre os 'municípios', a criação de uma moeda deveria ser a quarta ou a quinta etapa, no entanto, de cara já veio na frente de outras.
Não importa. Se é que ela veio, então vamos abraçá-la.

Porém, fui questionado, em rede social, por alguns colegas sobre os verdadeiros benefícios da moeda social Longá para a nossa gente, nosso comércio, ou seja, para nossa cidade de Esperantina.

Como prometido, aqui estão algumas das vantagens que o "Longá" irá trazer, ou pelo menos deverá nos trazer:

Todo funcionário público municipal de Esperantina deverá receber uma porcentagem de seus vencimentos em "Longá". O que significa isso?
Significa que todo funcionário municipal, principalmente aqueles que moram foram da cidade, deverá gastar/investir parte de seu salário na economia local, no comércio local.
Exemplo: eu particularmente sou funcionário do Maranhão, no entanto, pouquíssimo ou quase nada gasto/invisto no estado onde trabalho.
Para o comércio é uma alavanca ter este capital rotativo.

Outra vantagem é que parte da agricultura familiar começará a trabalhar com o "Longá" fortalecendo o desenvolvimento e erradicação da pobreza, onde o comércio "poderá" dar desconto para os usuários na compra desses produtos primários.
Mas estes descontos em moeda local poderá/deverá migrar para outros tipos de comércio (varejista, por exemplo) incentivando a população a consumir. Aqui é outra vantagem.

A moeda social Longá não servirá para reserva de valor, ou seja, não deverá ser acumulada, guardada, sendo assim servirá apenas como meio de troca direta e diária.

Agora resta o comércio (em todos os ramos) aceitar a moeda para que a cidade de Esperantina, que já tem função comercial, aumente ainda mais seu potencial econômico.


Nenhum comentário:

Postar um comentário