26 de novembro de 2008

UESPI DE ESPERANTINA

O Vestibular se reveste de grande importância. Indicador de sucesso ou fracasso para as

instituições educacionais de Ensino Médio, influenciador nas práxis pedagógicas dos graus

anteriores de ensino, visto com possibilidade de “entrada” no mercado de trabalho em

melhores condições sócio-econômicas e fonte de orgulho e de auto-estima para os

estudantes e para suas famílias (UNIVERSIDADE).

Os pais procuram matricular os filhos em instituições educacionais – de Ensino

Fundamental e Médio - que têm como principal objetivo preparar o aluno para o Vestibular.

Deste modo para as escolas particulares e os cursos preparatórios para tal exame, quanto

maior o número de alunos aprovados no concurso maior a rentabilidade.

Como objeto de estudo, o vestibular se revela um estimulante campo de reflexão, à medida

que esse processo meritocrático de seleção não é percebido apenas no momento de entrada

no Ensino Superior. Sua abrangência é muito maior.

Tem o seu início muito antes do período de provas, através da intervenção no currículo das escolas, na escolha das carreiras e continua dentro do curso superior, através da evasão.

O concurso de um processo de ingresso no Ensino Superior ganha uma dimensão

ritualizada de encerramento de um estágio de vida e início de um outro, tornando-se um

momento de “vida ou morte” para o jovem.

Ouvir os jovens sobre o Vestibular, detectar suas representações sociais sobre o mesmo,

verificar a relação que pode ser estabelecida entre o Vestibular e o “rito de passagem”,

constitui um interessante e desafiador objeto de estudo, sem falar que quando entra, por vários motivos, entres eles, a falta de estrutura didática e humana qualificada contribuem para a evasão escolar dificultando ainda mais a vida dos nossos jovens.

De cada 10 alunos que terminam o Ensino Médio hoje em dia, apenas e infelizmente apenas 3 ingressam o Ensino Superior e destes 3, 1 tem grande chance de não finalizar seu curso. Esses são dados do MEC.
Se a dificuldade de ingressar no 3º Grau são as mais difíceis possíveis, tanto no processo classificatório como nas politicas voltadas para este tema, INFELIZMENTE EM ESPERANTINA PODEMOS DIZER QUE ESTE ACESSO ESTÁ LITERALMENTE MAIS DIFÍCIL.
Alguns Políticos ainda tem a cara de pau de dizerem que estão preocupados com os nossos jovens ESTUDANTES.
Lembre-se que este caos está quase completando 1 ano. Pode?
Confira as fotos abaixo e deixe seu repúdio quanto a este desrespeito.






2 comentários:

  1. GOSTEI DO TEU DESBUNDE- DA UMA OLHADA NO MEU BLOG UM ABRAÇO!!!

    ResponderExcluir
  2. pois é meu amigo Marcelino, é triste saber que uma cidade tão desenvolvida como Esperantina seja tão atrasada ao que se refere a educação de ensino superior, é lamentavel ver as condições da UESPI.
    abraços a todos

    ResponderExcluir