20 de agosto de 2009

ALÉM DOS NOSSOS OLHOS

Tem pessoas que não querem ver além do que o umbigo.
Já espero está enxergando além dos que meus olhos podem ver tudo que tiver depois de qualquer perigo, mesmo que isso me custe caro.

Muitas vezes pensamos que ninguém sofre mais do que nós, seja na alegria, seja na dor.
Talvez por que não sabemos o que realmente é sofrer.

Pelas nossas impensadas atitudes tanto do passado como as do presente sofremos retaliações de cada um de nós mesmos. Na noite clara de insônia ou no dia escuro de falhas humanas.

No mundo de poluições, vivo passeando fumando sem querer as fumaças das lamparinas industriais e dos picos fumantes destes podres humanos enquanto alguns estão fantasiando viver amores por ladrões, corruptos, bandidos, assassinos.

Vocês não querem ver além dos acontecimentos. Estamos vivendo uma era de transição, não só por estamos iniciando um novo século, mas porque nos fazemos homens cheios de curiosidades.

Ninguém ensina nada a ninguém. Copiamos no velho CTRL "C" e colamos no CTRL "V".
Não podemos continuar assim.

Há de se falar naqueles que no passado não reivindicavam tal direito. Hoje discute, como direito, ações iguais do passado.
Exemplo: Se no passado Ajuda de custo era direito, porque só agora estou reivindicando? Será que eu não precisava e agora preciso, ou é porque no passado não poderia reivindicar este direito junto ao meu patrão?

Vamos ver além do nosso mundinho.

Vago em Esperantina entre inocentes e criminosos. Vejo as nuvens da forma que era se apresenta a cada minuto.
Dobro uma esquina lá está um pobre sofrido do sistema que vivemos. Ando mais um pouco e encontro, em outra esquina da vida, um sorridente das mágoas de seres que vive a chorar por falta de justiça, aqueles que criminam todos nós.

Vocês têm que abrir os olhos para além dos seus.

Fiquem com as flores cheias espinhas para sentirem a dor de quem quer ser feliz.
Se aqui é o paraíso, prefiro viver no inferno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário