1 de agosto de 2013

Uma geopolítica para ser recordada.

Enquanto os bobos da corte esperantinense consegue ver apenas as migalhas de políticas públicas feitas pelo terceiro homem mais importante do poder executivo em nosso estado que se diz ser de Esperantina, vejo mais longe e aprofundado tais bem feitorias.
Muito se mostra as obras trazidas para cá pela influência política do presidente da ALEPI. E quem mostra? Os que são vistos pelos DAS e os empregados temporários nos vários órgãos por aqui instalados por tal cabeça branca, disse cabeça branca e não colarinho branco.

Podemos citar aqui as migalhas feitas pelo presidente da ALEPI, falo migalhas por conta de que deveria ser muito mais por ser tão importante e também por está quase aposentado na máquina pública eleitoral: SINE, Cais, Reformas de prédios públicos, Penitenciária, ginásios, asfalto para ligar cidades e parque ecológicos. Certo, até aqui só os bobos vejam.

Agora vamos à importância de ser um Presidente de uma Assembleia Legislativa de um estado e ter que amargurar ver sua cidade natal com mortes no trânsito em plena avenida principal por falta de 'sinalização'. Nesta mesma avenida principal viver com esgoto a céu aberto como vivia as ruas de cidades inglesas de 150 anos atrás. Ver jovens rezando para completar 18 anos e ter o direito de ir para longe de suas famílias à procura de trabalho, pois aqui este tal de SINE não funciona, corrigindo, funciona apenas para quem dele recebe seus proventos no fim do mês. Ter que sentir na pele os amargos de um quarto escuro e sujos seja da Delegacia ou da Penitenciária por falta de uma educação digna deste os primeiros anos de sala de aula e quando chega ao terceiro grau, se é que chega, ver pela frente uma UESPI falida com apenas uma opção de curso superior. Ver pequenas e insignificantes praças de esporte de salão e não ter futebol de campo, atletismo, skate, ciclismo, natação, etc, etc, etc,. Tudo isso desligado da cultura, pois cinema, biblioteca, teatro aqui não existe, e da educação.

Viver de promessas e todas estas feitas próximas às eleições como forma de continuar no poder. Ver asfalto feito apenas com resto de café. E cadê o restante do dinheiro para acabar a obra?
Viver de trabalhos temporários por não ter como se libertar dessas algemas politicadas. 

Não me venham falar que certas obras são de obrigação do gestor municipal, pois pra mim isso não cola. Casso fosse verdade não estaríamos vivendo sob uma chuva de emendas para resolver alguns problemas só agora durante o mandato do PSDB.

"Sou o que eu penso, para vocês, sou o que transmito".

Fto - universidadefalada

Um comentário:

  1. Meu caro amigo, os Themistocles nunca administraram PME

    e falando de transito, é de responsabilidade municipal, e o prefeito atual esta com o projeto municipalização transito pronto e este mes vai enviar pra camara,

    desafio este que nenhum outro gestor municipal tiveram a coragem fazer a municipalização transito

    ResponderExcluir