19 de fevereiro de 2014

A ineficiência do setor público esperantinense.

O setor público tem a obrigação de manusear o Estado para oferecer bons serviços à população sempre cumprindo as políticas públicas prioritárias, executando o que deve ser feito. Através de quem? Do servidor público e sob um regime especial de trabalho, juridicamente definido. Este regime pode ser municipal, estadual ou federal. No entanto para se ocupar de um cargo público deve ser através de concurso ou por recrutamento direto (se for cargo de confiança).
Foto: sapodavez

De fato, conforme Alexis de Tocqueville observou, o governo é um mal necessário à democracia. A maioria do povo só vê o governo pelos impostos, os serviços públicos ruins, ou, então, pelos grandes escândalos. Mas vê também o carteiro, a professora do filho, o médico do serviço público. Desconhece o verdadeiro papel de uma Administração Pública eficiente: zelar pela imagem do governo e do Estado, etc.

Não é de hoje que a inoperância pública administrativa existe dentro de todas as secretarias municipais de nossa cidade inclusive na própria prefeitura municipal. Não é apenas desse governo.

A administração pública é feita por homens e regida por leis humanas. Entraves existem sim senhor. Burocracia necessária também existe. Mas não é desculpa para quem coloca sua reputação familiar, financeira e moral em questão quando se candidatam para RESOLVER os problemas de toda uma sociedade como a nossa.

Comparado ao setor privado, longe está o setor público de suas verdadeiras funções. Horário descumprindo, falta de punição direta, burocracia exagerada para cobrir a preguiça de quase todos os servidores e exemplo disso presenciei uma servidora pública (de cargo de confiança) deixar de atender uma senhora da zona rural de nossa cidade no que diz respeito à retirada da carteira de Identidade (Secretaria de Assistência Social - todo mundo sabe onde se localiza) somente pelo motivo de que a servidora pública tinha que sair para resolver problemas pessoais no centro da cidade. O relógio marcava 11:30 hs, ou seja, ainda faltava 30 minutos para terminar o expediente (foi o que disse a servidora)  e mesmo assim a servidora disse que não tinha como atender a senhora. Ela ia apenas terminar de mim atender e ia fechar a sala. A senhora chegou a pedir, por favor, para ser atendida alegando que a mesma morava na zona rural e que sua filha estava precisando urgentemente da Carteira de Identidade. A servidora não deu ouvidos para a senhora e pediu que a mesma voltasse na Terça-Feira da semana seguinte mesmo estando na Quinta-Feira. Novamente a senhora falou que morava na zona rural e não tinha como se deslocar facilmente até a zona urbana por dois motivos: morava longe e custava caro o seu deslocamento.
Não teve jeito. Quando fui atendido a servidora saiu e deixou de cumprir com suas obrigações para com a senhora. 
Agora terei que voltar à mesma sala para corrigir o erro da servidora, pois escreveu errado o nome da minha filha na carteira de identidade, ou seja, mesmo realizando suas obrigações para comigo esta servidora fez de forma desqualificada (mal feito). Só espero que não me omita o serviço por está fazendo uma crítica construtiva. Lembro que este péssimo acontecimento ocorreu no ano passado e espero que este ano esteja diferente, eficiente (risos).

Alguns especialistas na área tal como Francisco Lacombe do RJ diz que: quanto mais a ineficiência do setor público, maiores os impostos e maior a sua receita.

Estamos mortos então. A cidade é feita de homens que não querem melhorar ou são incapazes de cumprir com suas obrigações. Foi assim, está sendo assim e pelo que vejo continuará assim. 

"Sou o que eu penso, para vocês, sou o que eu transmito".

Nenhum comentário:

Postar um comentário