5 de maio de 2016

Três vezes para crer

Como seria bom se tivéssemos a chance de 03 dias a mais para viver, 30 dias para sonhar ou mesmo 300 dias para solucionar o problema da Saúde no Brasil.

Quem estar à beira da morte não tem 03 dias a mais para conseguir desfrutar a vida ao lados de seus familiares.

03 dias para uma pessoa com câncer, por exemplo, pode ser um infinidade de oportunidades de rever o que viver, ver o que está vivendo e sentir o que poderia viver ao lado dos amantes e amados.

Estes 03 dias frente ao caos da Saúde brasileira pode nos trazer mais doenças ou aumentar as que já existem, seja elas psicológicas, virais e tantas outras.
Quando falo que a Saúde brasileira não tem saúde estou falando que a cidade de Batalha, Morro do Chapéu e até mesmo Esperantina está passando por irregularidades na hora de vacinar contra este mal chamado de doença administrativa.

Fui uma vez, fui duas vezes e para crer fui a terceira vez em um posto de saúde de Esperantina para vacinar minha filha e a mim mesmo contra a gripe H1N1.

Até hoje esta gripe está sorrindo de mim porque não existe vacina nos postos para vacinar a população, inclusive eu e minha filha.

Quando as vacinas foram inventadas no Brasil na década de 1920, muitas pessoas corriam léguas e mais léguas para não receberem estas recentes criadas vacinas. Tinham medo do desconhecido, principalmente as sociedades dos cafundós dos bregas (interior do Brasil).

Hoje a correria é para não irem para os postos de saúde públicos. Quanto diferente, pois não querem passar por 'transtornos raivosos'.

As vacinas foram sendo espalhadas por todo o Brasil nas décadas seguintes acompanhadas da maior produtividade interna desse bem da medicina do século XX.
Para quase todas as doenças, já tinha alguma vacina para resolver o problema.

Hoje o problema não é mais tanto a falta de remédio específico para cada doença, muito menos a grande quantidade de pessoas a serem vacinadas e nem a produtividade que os laboratórios tem para ofertar o mercado consumidor.

Este problema de saúde quanto a disponibilidade de vacina para com a sociedade tem haver com os interesses dos governos, problema político.

Verbas, licitações, mão de obra para aplicar tais vacinas tudo isso tem. Sei que também tem a questão da burocracia do Estado. 

Mas sei também que Saúde é um direito que não pode esperar. 

Então quem deve primeiro receber uma vacina de obrigação: o secretário de saúde ou a gestora municipal?

Posso até viver 30 dias sonhando em ter uma boa saúde, mas a questão aqui não são os 30 dias e sim os sonhos que posso e devo ter para com uma saúde que mereço.

Quanto aos 300 dias para solucionar um problema, acho que são poucos. Sinceramente, se daqui a 300 dias o problema da Saúde do Brasil, e não só de Esperantina, estivesse totalmente resolvido, diria que estaríamos próximo ao mundo desenvolvido não só na saúde especificamente falando, mas também na forma de gerenciar este direito de todos os brasileiros.

Na segunda feira voltarei, com muita esperança, ao posto de saúde para ver se estes 300 dias já começaram a serem contados.

"Posso não concordar com nenhuma das palavras que vocês diz, mas defenderei até a morte o direito de dizê-las" (Voltarie).

Fto - campinadasmissoes

Nenhum comentário:

Postar um comentário