13 de novembro de 2014

Esperantina e sua segregação econômica..

Bairro Bernardo Rego
Residencial Alecrim
Segregação é separação, exclusão. Sendo assim, a segregação econômica nada mais é do que uma referência à desigualdade social e a exclusão de políticas públicas voltadas para o bem está da população.
Estas duas imagens retratam uma segregação econômica recentemente instalada em Esperantina. Aqui está mais uma das inúmeras segregações (econômicas, religiosas, social, cultural) que em nossa cidade existe.
No entanto, vamos nos retratar apenas à segregação econômica e mais especificamente à este dois locais habitacionais que já nasceram com uma enorme distorção econômica.
Nos dois locais a parte mais importante deveria ser o ser humano. Mais parece que não. O ator econômico predomina.

Dois projetos, dois públicos. Dois partidos, duas formas de administrar. 

A primeira segregação que vejo nestes dois espaços geográficos de habitação é o nome dado a eles: um é bairro e o outro é residencial.
Outra segregação diz respeito ao público alvo atendido: a maioria das pessoas que moram no Bernardo Rego é autônomas e de baixa escolaridade. Não que exista nenhum funcionário público ou mesmo empresário. Não que exista pessoas alfabetizadas ou mesmo com curso superior. Na sua maioria, a população do bairro Bernardo Rego, é de uma classe econômica.
Enquanto no Alecrim, o projeto foi voltado para os funcionários públicos, consequentemente mais alfabetizados, ou seja, querendo ou não, de outra classe econômica.

Para verificarmos o que estou dizendo basta fazer uma pequena visita aos dois conjuntos habitacionais: em um não existe pavimentação em paralelepípedos, já no outro sim. Em um não veio com iluminação pública, o outro sim. Um não tem saneamento básico, o outro sim.

Estas duas construções, abençoadas pelo governo federal, infelizmente vieram para majorar as diferenças sociais e econômicas, colocando, de um lado, uma classe social, enquanto de outro lado vivem os bem dotados de uma administração pública nutrida de preconceito e falta de planejamento.

Ftos - revistaaz e jornalesp

Um comentário:

  1. Excelente análise e descrição!!! Seu blog está de parabéns professor Macelino!! Sucesso!!
    Rock Araujo.

    ResponderExcluir